terça-feira, 28 de junho de 2011

Cálculo do índice de massa corporal (IMC)


Você sabe o que é IMC, o índice de massa corporal? 
 É uma medida que aponta o grau de obesidade de uma pessoa. 

                Conhecendo o IMC, pode-se afirmar se ela está acima ou abaixo do peso ideal. É um índice que leva em consideração a altura e o peso (massa) do indivíduo. Sabemos que a obesidade já é considerada uma epidemia mundial pela Organização Mundial de Saúde, dessa forma, é importante saber como está o seu grau de obesidade. Mas o IMC também revela se a pessoa está abaixo do peso ideal, outro problema enfrentado pelas pessoas que buscam a qualquer preço ter um corpo magro, principalmente modelos, gerando um quadro de anorexia.
                Bem, como foi dito, o IMC é calculado considerando dois parâmetros: peso (massa) e altura da pessoa. Mas você sabe como ele é calculado? Há um modelo matemático (fórmula) que fornece o IMC quando se conhece o peso (em quilogramas) e a altura (em metros) de um indivíduo. Veja:
IMC = (peso) ÷ (altura)2
                 Observe que o IMC é obtido fazendo o quociente (divisão) entre o peso da pessoa e o quadrado da altura.
                 Assim, uma pessoa de 1,60 m de altura, com 51 kg de peso, terá um IMC de:
IMC = 51 ÷ (1,60)2 = 51 ÷ 2,56 = 19,5.
                A Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade estabeleceu uma tabela que aponta o grau de obesidade de acordo com o IMC.

Abaixo de 18,5 - Você está abaixo do peso ideal
Entre 18,5 e 24,9 - Você está em seu peso normal
Entre 25 e 29,9 - Você está acima de seu peso (sobrepeso)
Entre 30 e 34,9 - Obesidade grau I
Entre 35 e 39,9 - Obesidade grau II
40 e acima - Obesidade grau III

                Se considerarmos o exemplo calculado anteriormente, como o IMC = 19,5, podemos afirmar que a pessoa está com o peso saudável.

domingo, 26 de junho de 2011

SERMÃO DA MONTANHA (versão para educadores)


Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado
sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem.

Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens.

Tomando a palavra, disse-lhes:
- Em verdade, em verdade vos digo:

- Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.
- Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.
- Felizes os misericordiosos, porque eles...?

Pedro o interrompeu:
- Mestre, vamos ter que saber isso de cor?

André perguntou:
- É pra copiar?

Filipe lamentou-se:
- Esqueci meu papiro!

Bartolomeu quis saber:
- Vai cair na prova?

João levantou a mão:
- Posso ir ao banheiro?

Judas Iscariotes resmungou:
- O que é que a gente vai ganhar com isso?

Judas Tadeu defendeu-se:
- Foi o outro Judas que perguntou!

Tomé questionou:
- Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?

Tiago Maior indagou:
- Vai valer nota?

Tiago Menor reclamou:
- Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.

Simão Zelote gritou, nervoso:
- Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?

Mateus queixou-se:
- Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:
- Isso que o senhor está fazendo é uma aula?
- Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica?
- Quais são os objetivos gerais e específicos?
- Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?

Caifás emendou:
- Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas?
- E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais?
- Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?


Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:
- Quero ver as avaliações da Provinha Brasil, da Prova Brasil e demais testes e reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade. Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto.
E vê lá se não vai reprovar alguém! Lembre-se que você ainda não é professor efetivo...

Jesus deu um suspiro profundo, pensou em ir à sinagoga e pedir aposentadoria proporcional aos trinta e três anos. Mas, tendo em vista o fator previdenciário e a regra dos 95, desistiu. Pensou em pegar um empréstimo consignado com Zaqueu, voltar pra Nazaré e montar uma padaria...

Mas olhou de novo a multidão. Eram como ovelhas sem pastor... Seu coração de educador se enterneceu e Ele continuou:
-“Felizes vocês, se forem desrespeitados e perseguidos, se disserem mentiras contra vocês por causa da Educação. Fiquem alegres e contentes, porque será grande a recompensa no céu. Do mesmo modo perseguiram outros educadores que vieram antes de vocês”.

Tomé, sempre resmungão, reclamou:
- Mas só no céu, Senhor?

- Tem razão, Tomé - disse Jesus - há quem queira transformar minhas palavras em conformismo e alienação.. Eu lhes digo, NÃO! Não se acomodem.
Não fiquem esperando, de braços cruzados, uma recompensa do além. É preciso construir o paraíso aqui e agora, para merecer o que vem depois...

E Jesus concluiu:
- Vocês, meus queridos educadores, são o sal da terra e a luz do mundo...

A equação do amor

A matemática é uma ciência que muitos odeiam, sentem pavor só de ouvir seu nome, terminam suas vidas com um sentimento de desprezo por equações, expressões, sentenças e problemas. Por outro lado, há pessoas que a admiram, têm verdadeira adoração pelos seus mistérios, teoremas e axiomas, conseguem ver em suas entrelinhas inspiração para relatos de amor e paixão. Galileu Galilei descreve sua admiração pela matemática com o célebre pensamento: “A matemática é o alfabeto com o qual Deus escreveu o universo”. Seguindo a linha dos que têm muito apreço por essa ciência fascinante, vamos exibir uma equação que poderá servir para conquistar alguns corações, mesmo daqueles que ainda não sentiram brotar no peito a paixão pela matemática. Reparem na beleza da estruturação e mais ainda no resultado final, uma verdadeira declaração de amor.

Vamos considerar os números reais positivos a, t, e, o, m. Obteremos o valor real de x na equação:


Vamos elevar os dois membros da igualdade ao quadrado, obtendo:


Multiplicando ambos os membros por mo (sendo mo ≠ 0), obtemos:


Considerando a ≠ 0, vamos dividir os dois lados da igualdade por a, obtendo:



Fonte: www.escolakids.com


sábado, 25 de junho de 2011

Cordel sobre a OBMEP - 2011

CORDEL OBMEP
 

     Autor: Cristiano Costa Bastos
                        

Olimpíadas e atletas
Já são coisas conhecidas
Jogos e competições
Duelos e partidas
Dúvidas e emoções
Alegrias divididas

As Olimpíadas começaram
Com Gregos e Romanos
Se tornaram mundiais
Depois de muitos anos
Com Barão de Coubertin
Se traçaram novos planos

Várias provas se realizam
Pra medir a habilidade
Quem corre mais ligeiro
Quem tem mais capacidade
Quem pula mais alto do chão
Quem joga com mais qualidade

Num dia de inspiração
A Europa deu um recado
Num país chamado Hungria
De um povo muito educado
Outra Olimpíada nascia
De um jeito modificado

Era 1894
E teve grande competição
Concorreram vários jovens
Cada um de uma nação
Uma Olimpíada de Matemática
Foi a grande inovação

Depois nos Estados Unidos
Repetiram a competição
Um novo esquema de prova
Numa nova formatação
Mas ainda a matemática
Era a grande motivação

É a Olimpíada de Matemática
Como é feita hoje em dia
Mas o nome “Olimpíada”
Não foi dado na Hungria
Só em 1958
Na Romênia se daria

Quando é Internacional
A disputa é mais acirrada
Reune vários países
Envolve a garotada
Quem resolve mais problemas
Tem medalha assegurada

No Brasil só começou
Com Shigueo Watanabe
Pros alunos brasileiros
Foi a maior novidade
Podiam agora sonhar
Com uma nova realidade

Nessa tal Olimpíada
Se descobre novos talentos
Apoiam-se professores
Alcançam-se novos intentos
Formam-se pequisadores
Doutores do pensamento

Assim se estabeleceu
A Olimpíada Brasileira
Os alunos participam
Gostam da bricadeira
Brincar é coisa séria
Brincando dessa maneira

Todos se dedicam
Resolvem muitas questões
No site da OBM
Estudam as soluções
Se preparam pras medalhas
Das novas competições

Mas Brasil é país grande
De grande população
Precisava se articular
Pra essa competição
Aumentar a quantidade
De sua participação

A maioria dos alunos
Não estudam particular
Estudam nas escolas públicas
Não queriam participar
Precisavam de apoio
Pra poderem se animar

Assim em 2005
Veio a grande solução
Reunir as escolas públicas
Numa só competição
Uma festa separada
Com apoio e devoção

É a OBMEP
A Olimpíada do saber
Feita pra escola pública
Feita mesmo pra você
Reunindo nossos alunos
Na escola do aprender

10 milhões de participantes
Só na primeira edição
Os alunos mais corajosos
Heróis da educação
Abriram a consciência
Pra futura geração

Casos e histórias
Aparecem nessa história
Coordenadores espalhados
Várias cidades em glória
Muitos fatos engraçados
Bem guardados na memória

Cada estado faz a prévia
Com seu coordenador
Ele é o responsável
Junto com o professor
O aluno também é esperto
Todo mundo sai vencedor

Os alunos vão estudando
É disputa pra ganhar
Cada um quer uma medalha
Pra isso tem que lutar
Tem que se dedicar muito
Pro futuro conquistar

Pra quem não participou
Para o ano terá mais
Procure participar
Estudar nunca é demais
Procure seu professor
Mostre que é capaz

Fonte: http://www.obmep.org.br/Episodios/Cordel.html

Olímpiadas brasileiras de matemática das escolas públicas - OBMEP 2011

O jovem Ricardo disse que não há espaço para o impossível. Tetraplégico, o rapaz ganhou destaque na Olimpíada de Matemática de Escolas Públicas, Vídeo: Ricardo Stuckert/PR.
Reportagem da TVE com alunos Daniel dos Santos Bossle e Adriana de Sousa Figueiredo, medalhistas de ouro da 5ª OBMEP.


Estudar é o caminho para não ir para o caminho errado, dizem os paraibanhos medalhistas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas.

O símbolo de exclamação na matemática





Desde as etapas iniciais da vida estudantil percebemos que a matemática utiliza-se de vários símbolos para representar sentenças, operações, expressões e muito mais. A utilização dos símbolos para substituir frases inteiras faz parte da matemática recente, mais ou menos do século 17 em diante. Você deve estar se perguntando: “Parte recente da matemática?”. Recente se comparada a alguns trabalhos matemáticos que datam de antes de Cristo. Anterior a esse período, o uso de símbolos era muito limitado ou quase não existia. Toda situação matemática era descrita utilizando somente palavras.
Com certeza você conhece vários símbolos para representar alguma expressão matemática. Mas você conhece o uso do ponto de exclamação na matemática?
Na matemática, o símbolo de exclamação (!) significa fatorial. O fatorial é uma operação matemática que utiliza multiplicações. Veja alguns exemplos:
4! = 4 x 3 x 2 x 1 = 24
6! = 6 x 5 x 4 x 3 x 2 x 1 = 720
9 x 8 x 7 x 6 x 5 x 4 x 3 x 2 x 1 = 9!
Sabendo que 9! = 9 x 8 x 7 x 6 x 5 x 4 x 3 x 2 x 1 = 362 880, já pensou como escrever 362 880! ?
Uma forma poderia ser essa:
362 880! = 362 880 x 362 879 x 362 878 x 362 877 x 362 876 x ... x 3 x 2 x 1
Usando esse método, passaríamos um longo tempo escrevendo essas multiplicações. Utilizando fatorial, isso seria mais simples. Veja só:
362 880! = (9!)!
Utilizamos apenas três símbolos para escrever aquela enorme multiplicação. Dessa forma, podemos verificar qual a importância dos símbolos na matemática. Expressões, equações, sentenças, tudo se torna mais simples com o uso dos símbolos. Agora você já conhece mais um símbolo, aumentando seu arsenal de recursos para simplificar a escrita na linguagem matemática.
Agora que você ja sabe o que é fatorial, tente resolver a conta que aparece na imagem acima. Coloque o resultado nos comentários.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Chororô de criança é o som mais irritante do mundo

  Britadeiras? Sirenes? Unhas arranhando uma lousa? As músicas do Restart? Nada disso. O som mais irritante de todos é o do chororô de criança – aquelas reclamações manhosas dos pequenos, sugere um estudo feito por psicólogos das Universidades de SUNY e Clark, nos EUA.
Por lá, participantes tiveram que resolver problemas de matemática enquanto ouviam a sons chatos como o de uma motosserra, o choro de um bebê recém-nascido e adultos falando como crianças (“ai, ti bunitinhu!”). Todos causaram distração no pessoal, mas, ao analisar os resultados dos testes, os pesquisadores viram que o número de erros era bem maior quando os voluntários ouviam os sons estridentes que os pequenos começam a soltar entre os dois e quatro anos de idade – o que a gente chama aqui de chororô.
“Ninguém quer ficar escutando um alarme de incêndio, mas, se ele soa, você presta atenção. Tem que ser irritante mesmo, e é a mesma história com o chororô”, disse uma das pesquisadora do estudo, Rosemarie Sokol Chang, ao MSNBC.com.
E você, aguenta? Faz o teste:

Fonte: http://super.abril.com.br/blogs/cienciamaluca/chororo-de-crianca-e-o-som-mais-irritante-do-mundo/

A MATEMÁTICA EM CORDEL 2 - O tal do montante.

O TAL DO MONTANTE


Sabemos que a matemática
Em nossa vida está presente
Mas nem todo mundo gosta
Tem gente que fica doente
Logo nas primeiras aulas
Quando é chamado pra frente
*
Na frente dá logo um branco
E vem junta a tremedeira
Que só um copo com água
Pode evitar a suadeira
E o pior é que após a prova
O zero vem na carreira
*
Caro leitor não se assuste
Com a nossa matemática
Na realidade é uma ciência
Por sinal muito simpática
Que nos auxilia de montão
Vou lhe explicar na prática
*
Ainda ontem fui ao banco
Para tirar um cascalho
A fila virava a esquina
Eu quis pegar um atalho
Mas o guarda me intimou
E eu quase caio no malho
*
Quando chegou minha vez
Falei logo com a atendente
Veja aí qual é meu saldo
Ela respondeu num repente
- O seu montante é cem reais
Incluindo o juro corrente

Moça! Eu quero saber
Do meu dinheiro suado
Mas moço, eu já falei...
Que o montante acumulado
É equivalente a cem reais
E o caso está encerrado
*
Que diabos de montante!
É esse que a senhora
Em pleno meio dia
Me fala a toda hora
Quer que eu saia daqui
Me retire e vá embora?
*
Calma moço! MONTANTE,
É o dinheiro que é aplicado
Mais o juro de cada mês
Que quando é acumulado
O Senhor só tem a ganhar
Pois não fique aperreado
*
Compreendi que os números
É uma riquíssima lição
Que devemos considerá-los
Pra o bem da população
Evite constrangimentos
Dê a sua contribuição
*
Então, não adianta fugir!
A matemática está presente
Em nosso cotidiano
E sem querer ser insistente
Peça ajuda à(o) professor (a)
Seja então questionador (a)
E a gente se vê lá na frente

A Matemática em cordel



Conheça um pouco de história
Que agora vamos contar
A Matemática surgiu
Da antiguidade para cá.
A criação da Matemática
Se deu da necessidade
Da luta de todo o povo
Desde o início da humanidade.
...............................................
Dos números naturais
O zero é menor valor
Diferente dos demais
É o único sem antecessor.
.....................................
Na prova dos "noves-fora"
Não se deve confiar
Faça a prova real
Para a certeza chegar.
...................................
Se Geo significa terra
Metria é a medida
A palavra Geometria
Está assim bem definida.
E termina assim:
Ao ensinar Matemática
Seja justo e sincero
Mostre que é impossível
Uma divisão por zero.
Um abraço fraterno a todos
Creiam nessa verdade
No mundo da Matemática
Não existe dificuldade. 

Fonte: RPM (Revista do Professor de Matemática)

quarta-feira, 22 de junho de 2011

A matemática e o número que você calça


Relação entre o número que você calça e o tamanho de seu pé.
Relação entre o número que você calça e o tamanho de seu pé.
Muitas vezes não entendemos os motivos de se estudar matemática ou quando vamos usar determinada parte do conteúdo e, por isso, nos questionamos: onde a matemática é realmente aplicada?
Inúmeros são os exemplos e situações onde podemos ver o emprego da matemática. Desde o momento em que acordamos até a hora de dormir, estamos sempre fazendo o uso dessa ciência. Quando, ao levantar pela manhã para ir à escola ou fazer qualquer atividade, dizemos “só mais cinco minutinhos”, intuitivamente estamos realizando cálculos matemáticos para averiguar se esses preciosos minutos de sono não ocasionarão um atraso. A tecnologia não estaria tão avançada sem o fantástico auxílio da matemática. Do mais simples ato até a mais sofisticada empregabilidade, a matemática está sempre presente em nosso cotidiano, basta que analisemos as situações que vivenciamos.


Por mais inimaginável que possa parecer, o número que você calça também está relacionado à matemática. Existe uma fórmula que relaciona o número que você calça e o tamanho do seu pé em centímetros.
Vejamos:
S: é o número do sapato.
p: é o comprimento do pé em centímetros.
Assim, se seu pé medir 20 cm, o número do seu sapato será:
 Faça a medição do seu pé e aplique na fórmula acima e verifique se funciona para você também. Bons cálculos.


Labirintos - Jogos Matemáticos