quinta-feira, 9 de junho de 2011

A CIRCUNFERÊNCIA DE 360 GRAUS


          Entre os anos de 180 e 125 a.C., viveu na Grécia um matemático que se tornaria famoso: Hiparco de Nicéia.
          Assim como a maioria dos matemáticos de sua época, Hiparco era fortemente influenciado pela matemática da Babilônia.
          Como os babilônios, ele também acreditava que a melhor base para realizar contagens era a base 60.
          Os babilônios não haviam escolhido a base 60 por acaso. O número 60 tem muitos divisores – 1, 2, 3, 4, 5 , 6, 10, 12, 15, 20, 30 e 60 – e pode ser facilmente decomposto num produto de fatores, o que facilita muito os cálculos, principalmente as divisões.
          Foi por essa mesma razão que, ao dividir a circunferência, Hiparco escolheu um múltiplo de 60:
          Cada uma das 360 partes iguais em que a circunferência foi dividida recebeu o nome de arco de 1 grau.
          Cada arco de 1 grau foi dividido em 60 partes iguais e cada uma dessas partes recebeu o nome de arco de 1 minuto. Cada arco de 1 minuto também foi dividido em 60 arcos de 1 segundo.
1 minuto = 1´
1 segundo = 1´´
          Com a circunferência de 360º, ficou fácil criar uma unidade de medida para os ângulos:
          a) ângulo de 1º é um ângulo que determina um arco de 1º em qualquer circunferência com centro no vértice desse ângulo;
          b) ângulo de 90º é um ângulo que determina um arco de 90º em qualquer circunferência com centro no vértice desse ângulo.
    
          Hoje ainda usamos esse sistema de numeração, apesar de utilizarmos a base decimal, contada de 10 em 10.

            Inclusive vemos esse sistema nos relógios, que seguem o mesmo padrão. 

Um comentário:

  1. Legal as postagens Fernando, tu ainda tem tempo pra postar tanta coisa? Balançando bebê e no computador.... KKKKKKKK

    Abraço

    ResponderExcluir