sexta-feira, 1 de junho de 2012

REFLEXÃO PARA OS PROFESSORES

PROFESSOR! DÓI, O SILÊNCIO QUE TU FAZES Professor, a mordaça está se alargando. Ao teu corpo se arredando. A rotina de sala, caderneta, ida e vinda. A tua voz é calada e quando incontida se rompe O teu ouvinte é surdo e ignora o eco das harpas sem cordas. Os alunos atordoados foram toldados como os mestres. Toldados de turmas, horários, conteúdos e oportunidades. Professor, o teu silêncio é uma carícia na face do predador. O coração dos alunos e a memória da categoria são carne sangrando. Sangra também a esperança de mudança e união. É hora de atitudes, vozes ecoando e passos se unindo, Mas tu calas. Dói professor, vê tua inércia Teu carrasco se alonga, ganha espaço Tua alma é caverna da dor e do silêncio. E os sonhos, mestre, são tristes enganos, Adormecem em salas lotadas. Bolsos vazios e almas lacrimejantes. O abandono dos valores, respeito e direitos. As ruínas que sobram como resultado da profissão. São sombras e poeira ao vento do esquecimento. Assim como a vontade de seguir professorando. O eleito pelo povo silencia a voz dos mestres. Amordaça sua energia e vontade laboral. Com uma lágrima vergando a face. Um silenciar de desejos e anseios O professor, que deixa atingir tua alma, teu bolso e tua dignidade. Silencia e cala fundo. Cala professor! Dói, o silêncio que tu fazes.... DUCI MEDEIROS (Professora da Rede Oficial de Ensino de Pernambuco)

Um comentário:

  1. Caro Fernando: Realmente a situação do professor do estado nunca foi tão ruim. Somos massacrados no nosso dia a dia, e alunos e diretores despreparados , uns manobrados pelos outros, ditam as regras. Quem pertencer ao clubinho de áulicos escapa, tendo em troco a dignidade. Quem não participa, assédio moral e cusparada. Justamente de pessoas inidôneas, e nepotistas, que, sem critérios objetivos se não os políticos,para ocupar o cargo tornam-se tiranetes nas escolas. Roubam , pintam o sete, e nada acontece. Parabéns pelo seu blog, e continue assim. Rafael Brasil.

    ResponderExcluir