domingo, 30 de setembro de 2012

A Origem do Nome Google, Você Sabia?

A-Origem-do-Nome-Google,-Você-Sabia

Essa é uma das curiosidades na qual muitos ainda não sabem, o que é  nome da empresa que mais gera lucros no mundo? Deixe essa curiosidade de lado, mas não deixe de ser curioso, pois aqui no Você Sabia os curiosos tem vez!
O nome Google foi escolhido pela a expressão googol, que é o número 1 depois de 100 zeros, para demonstrar a grandeza da Web.
A palavra googol surgiu de um fato curioso. O matemático Edward Kasner perguntou para o seu sobrinho de 8 anos sobre a como ele expressaria um número grande – um número muito grande: o maior que ele pensasse. O pequeno Milton Sirotta soltou um som que Kasner interpretou por “googol”.
Pouco depois, Kasner definiu um número maior ainda: o googolplex.
Segundo o documentário do Biography Channel sobre os fundadores do Google, quando o primeiro investidor da empresa emtregou um cheque de 100 mil dólares perguntou a que nome devia passar. Brin e Page disseram que queriam dar o nome de “Googol” à empresa, mas o empresário, acidentalmente, escreveu “Google“, obrigando, assim, que a empresa tivesse este nome.
Veja os derivados do nome:
Googolplex: é o um conjunto de edificações de trabalho e residencia do Google, em Mountain View (Googleplex) – Califórnia. Este nome também vem da matemática e é algo como 10 elevado a (10 elevado a 100) ou 10 elevado a googol.
Googolduplex: é o nome dado quando alguém se refere a um dos complexos de moradia do Google; Este nome, volta à matemática, se refere a , 10 elevado a (10 elevado a (10 elevado 100)), ou mesmo 10 elevado a googolplex.

Leis de Murphy: você conhece?

murphybanner

O engenheiro aeroespacial norte-americano, capitão Edward A. Murphy, estava dirigindo um teste de tolerância à gravidade por seres humanos. Só que os sensores que deveriam registrar os resultados do teste falharam, exatamente na hora da apresentação desses resultados a uma comissão de cientistas, porque um técnico instalou os sensores da forma errada. Frustrado, o capitão Murphy disse “Se existir uma só maneira desse cara cometer um erro, ele a encontrará, com certeza!” Daí nasceu a primeira lei:

“Se existirem dezenas de maneiras para um trabalho dar certo e somente uma para ele dar errado, com certeza esta será a escolhida por algum idiota para executá-la”.



As melhores Leis de Murphy:

• Se alguma coisa tiver uma só possibilidade de dar errado, com certeza dará. E tem mais: dará errado da pior maneira, no pior momento e de maneira a causar o maior estrago possível.



• Todo corpo mergulhado numa banheira faz tocar o telefone, lá na sala.





• No trânsito engarrafado, a fila do lado anda sempre mais rápida.
• Se a experiência funcionou na primeira tentativa, tem alguma coisa errada.

• Você sempre acha o que está procurando no último lugar em que procura.
• Toda partícula que voa sempre encontra um olho.
• Se está escrito “TAMANHO ÚNICO, não serve em ninguém.


• Não é possível consertar um defeito antes das 18:00h da sexta-feira. Mas ele será facilmente consertado às 09:01h da próxima segunda-feira.
• A probabilidade do pão cair com o lado da manteiga virado para baixo é proporcional ao preço do carpete. Quanto mais caro ele for, maior a possibilidade.
• Um gato cai sempre em pé. Portanto, não adianta amarrar o pão com manteiga nas costas de um gato e jogar no carpete, porque, com certeza, o gato comerá o pão antes de cair em pé.

• Numa cidade grande, você só verá dezenas de táxis circulando, livres, quando não estiver precisando de um.
• Um atalho termina sempre sendo a distância mais longa entre dois pontos.

• Qualquer tarefa leva mais tempo para ser executada do que o tempo que você dispõe para executá-la.

• Quando um trabalho é mal feito, qualquer tentativa para melhorá-lo o torna pior.
• Se você tem alguma coisa guardada, que não usa há muito tempo, pode jogar fora. Mas se você jogar fora alguma coisa que tem guardada e que não usa há muito tempo, vai precisar dela logo depois de jogá-la fora.

• Quando alguém liga pra você:
a) Se você tem caneta, não tem papel.
b) Se tem papel, não tem caneta.
c) Se tem caneta e papel, ninguém liga.
• A Natureza sempre favorece a falha.

• Qualquer tentativa para segurar um objeto que está caindo provocará mais destruição do que se o deixássemos cair naturalmente.
• Por mais bem feito que esteja o seu trabalho, o chefe sempre achará um jeito de botar defeito nele.
• Nenhum patrão conserva um funcionário que está sempre certo.


• A informação que obriga a uma mudança radical no projeto sempre chega ao projetista depois do trabalho terminado, executado e funcionando perfeitamente. Esta lei também é conhecida como Síndrome do “P****! Mas só agora?!”
• A inteligência tem limites. A burrice, não.
• A verba necessária é sempre o dobro da que foi prevista no orçamento. O tempo é o triplo.
• Assim que você esgotar todas as suas possibilidades e admitir o seu fracasso, surgirá uma solução simples e evidente para qualquer outro idiota.

• Tudo o que começa a funcionar bem fica obsoleto.
• Guia prático para entender a ciência moderna:
a) Se se mexe, é biologia.
b) Se fede, é química.
c) Se não funciona, é física.
d) Se ninguém entende nada, é matemática.
e) Se não tem pé nem cabeça, é psicologia.

• Qualquer defeito do seu computador desaparecerá quando você chamar um técnico e vai aparecer de novo, assim que ele for embora.
• Se ela está te dando mole, é feia. Se é bonita, está acompanhada. Se está sozinha, você está acompanhado.
• Cada professor acha que você não tem nada mais o que fazer, a não ser estudar a matéria dele.

• A luz no fim do túnel é o trem, vindo pra cima de você.
• Sua vida é uma droga. E tem que diga que você reencarna.
• Confiança era aquele sentimento que você tinha, antes de compreender realmente o problema.

• Nada é tão ruim que não possa piorar.
• Existem dois tipos de esparadrapo: o que não gruda e o que não sai.
• Se você não está confuso com a explicação, é porque não está prestando atenção.
• Tudo o que começa bem, termina mal e tudo o que começa mal, termina pior ainda.
• As crianças são incríveis. Elas repetem, palavra por palavra, aquilo que você jamais deveria ter dito na presença delas.

• Se você achar estas leis engraçadas e mostrá-las a um idiota, ele vai achar que você é idiota.













Matemática, o terror dos estudantes!

mathbanner

Especialistas explicam por que a matemática ainda é considerada o bicho papão por muitos alunos.

SOBRE A MATEMÁTICA
A matemática é a ciência do raciocínio lógico e abstrato. Esta ciência vem sendo construída ao longo dos séculos. Resultados e teorias milenares se mantêm válidos e úteis e, ainda assim, a matemática continua a desenvolver-se permanentemente. Registros arqueológicos mostram que a matemática sempre foi parte da atividade humana. Ela evoluiu a partir de contagens, medições, cálculos e do estudo sistemático de formas geométricas e movimentos de objetos físicos. A matemática se desenvolveu principalmente na Mesopotâmia, no Egito, na Grécia, na Índia e no Oriente Médio. A partir da Renascença, o seu desenvolvimento intensificou-se na Europa, quando novas descobertas científicas levaram a um crescimento acelerado que dura até os dias de hoje. A matemática é usada como uma ferramenta essencial em muitas áreas do conhecimento, tais como engenharia, medicina, física, química, biologia e ciências sociais.

HISTÓRIA
Além de reconhecer quantidades de objetos, o homem pré-histórico aprendeu a contar quantidades abstratas como o tempo, os dias, as estações e os anos. A aritmética elementar (adição, subtração, multiplicação e divisão) também foi conquistada naturalmente. Acredita-se que esse conhecimento é anterior à escrita e, por isso, não há registros históricos. A matemática começou a ser desenvolvida motivada pelo comércio, medições de terras para a agricultura, registro do tempo e astronomia. A partir de 3000 a.C., quando babilônios e egípcios começaram a usar aritmética e geometria em construções, na astronomia e em alguns cálculos financeiros, a matemática começou a se tornar mais sofisticada. O estudo das estruturas matemáticas começou com a aritmética dos números naturais, seguiu com a extração de raízes quadradas e cúbicas, resolução de algumas equações polinomiais de segundo grau, trigonometria e frações, entre outros tópicos. Por volta de 600 a.C., na civilização grega, a matemática, influenciada por trabalhos anteriores e pela filosofia, tornou-se mais abstrata.
Dois ramos da matemática se distinguiram: a aritmética e a geometria. Na época do Renascimento, uma parte dos textos árabes foi estudada e traduzida para o Latim. A pesquisa matemática se concentrou então na Europa. O cálculo algébrico desenvolveu-se rapidamente com os trabalhos dos franceses François Viète e René Descartes. Nessa época, também foram criadas as tabelas de logaritmos, que foram extremamente importantes para o avanço científico dos séculos XVI a XX, sendo substituídas apenas depois da criação dos computadores. A percepção de que os números reais não são suficientes para a resolução de certas equações também data do século XVI. Já nessa época começou o desenvolvimento dos chamados números complexos, apenas com uma definição e quatro operações. Uma compreensão mais profunda dos números complexos só foi conquistada no século XVIII, com Leonhard Paul Euler, um grande matemático e físico suíço. A matemática ainda continua a se desenvolver intensamente por todo o mundo, nos dias de hoje.

O ENSINO 
A matemática e até mesmo outras matérias, desde o descobrimento do Brasil, eram ministradas pelos jesuítas, até a expulsão deles, em 1759. Desta data até 1808, os ex-alunos dos jesuítas ficaram encarregados do ensino. De 1808 a 1834 a matéria era ministrada nas escolas do exército e da marinha e, a partir de 1873, também nas escolas de engenharia. Em 1874 foi criada a Escola Politécnica, a partir da Escola Central – ex-Escola Militar. A Escola de Minas de Ouro Preto foi criada em 1875 e a Escola Politécnica de São Paulo em 1893. Assim, o ensino da matemática passou também a ser oferecido em escolas não militares.
Ela é o terror de muitos alunos. Basta a expressão “resolva o problema”, usada nos exercícios da matéria, para causar arrepios e depressão. Mas, será que a matemática, cujo Dia Nacional é comemorado no dia 6 de maio, é mesmo esse pavoroso bicho papão? De acordo com pesquisa recente, encomendada pela UNESCO ao Grupo de Avaliação e Medidas Educacionais da Universidade Federal de Minas Gerais, cerca de 40% dos alunos que concluíram o Ensino Fundamental em escolas públicas, entre 2005 e 2009, não absorveram o nível básico da disciplina que é esperado nessa etapa.

RAZÕES PARA A REJEIÇÃO
Segundo o professor de matemática Luciano Santana, do Colégio Padre Antônio Vieira, do Rio de Janeiro, três fatores contribuem para a rejeição à matéria. O primeiro é histórico: algumas escolas criaram o mito de que aprender matemática é difícil. Basta dizer que, no século VI a.C., os alunos que pretendiam entrar para o Instituto de Pitágoras, chegavam a ficar 12 horas trancados em celas para desvendar enigmas matemáticos e, se não conseguissem êxito, eram humilhados perante seus pares.
O segundo fator que contribui para o medo com relação à matemática, segundo o professor, se baseia na psicanálise: de acordo com Sigmund Freud (foto), considerado o pai da psicanálise, o processo de aprendizagem está ligado ao prazer de aprender; portanto, a falta de motivação, por parte do professor, e de aulas dinâmicas, principalmente nas fases iniciais da aprendizagem, contribuem para a rejeição nas etapas mais avançadas do ensino. O terceiro motivo, segundo Santana, é o currículo estudado, considerado por ele muito extenso e cobrado num nível alto de aprofundamento. “Conteúdos como números complexos não fazem sentido no Ensino Médio, para quem não vai tentar áreas como engenharia”, explica ele.

A professora de matemática da Universidade Federal de Uberlândia, Cristiane Coppe, explica que as crianças da Educação Infantil gostam da matéria, pois ela é ensinada de forma lúdica e trabalhada sempre de maneira concreta. Mas, depois que os estudantes começam a estudar as disciplinas isoladamente, há, na avaliação da professora, um rompimento do concreto para o abstrato. “Essa passagem se dá de modo brusco, no processo de ensino e aprendizagem da matemática, o que a torna sem significado. Como se pode gostar de algo que não se entende?”
Já no fim do Ensino Fundamental, a matemática deixa de ser o bicho papão e passa a ser o bicho de sete cabeças, formado também pela química e pela física. “O fato de um aluno não gostar de matemática terá grande influência em química e física, matérias que dependem muito das ferramentas da matemática em seus cursos. A vantagem dessas duas últimas ciências é que elas podem oferecer aulas em laboratórios para quase todos os conteúdos abordados, o que, em matemática, não é tão fácil”.
Para estimular os alunos, Santana explica que o Colégio Padre Antônio Vieira realiza maratonas de matemática, inspiradas nas olimpíadas da Sociedade Brasileira de Matemática. Os três melhores colocados são premiados com média 10 na disciplina. “O que observamos é que os alunos que não gostam de matemática participam efetivamente, pois existe o estímulo de obter a nota 10. Além disso, a prova é possível de ser feita por eles, pois não prioriza conteúdos, uma vez que utilizamos questões de raciocínio lógico também”. Santana acredita que o primeiro passo para os alunos encararem a matemática como algo menos complicado é melhorar a qualificação dos profissionais na educação básica: “É preciso oferecer mais conhecimento matemático, pois a maioria dos professores tem um conhecimento limitado. O segundo passo é cobrar dos pais maior empenho no processo. E, por último, rever urgentemente o currículo oferecido”. Já Cristiane ressalta que o educador deve mostrar que há diversos caminhos para a resolução de um problema matemático: “Ele deve possibilitar ao aluno a investigação matemática, a experimentação com erros e acertos e a formalização de conceitos, após observações em um ambiente propício à aprendizagem”.

MALBA TAHAN
Um dos educadores que fizeram isso com maestria foi o professor Júlio Cesar de Mello e Souza (1895-1974), que usava o pseudônimo de Malba Tahan (foto). “O que considero mais relevante nos livros do professor Júlio Cesar é a junção genial de ciência, imaginação, matemática e cultura árabe”, diz Cristiane, que é estudiosa da obra do autor. O livro mais conhecido de Malba Tahan, “O Homem Que Calculava”, é um conto matemático. São narrativas que se desenrolam com a personagem Beremiz Samir e utilizam conceitos como história da matemática, resolução de problemas e etnomatemática, entre outros. Malba Tahan conquistou leitores no mundo inteiro, através da matemática, e mostrou que o aprendizado da ciência pode ser muito divertido. Em sua homenagem, o dia do seu aniversário, 6 de maio, foi decretado o Dia Nacional da Matemática.

O Homem que Calculava 
Romance de Malba Tahan ,  narra as aventuras e proezas matemáticas do calculista persa Beremiz Samir, na Bagdá do século XIII. Foi publicado pela primeira vez em 1938 e já chegou à 75ª edição. A narrativa, dentro da paisagem do mundo islâmico medieval, trata das peripécias matemáticas do protagonista, que resolve e explica, de modo extraordinário, diversos problemas, quebra-cabeças e curiosidades da matemática. Inclui, ainda, lendas e histórias pitorescas, como, por exemplo, a lenda da origem do jogo de xadrez.

Homem Vitruviano – Entenda a obra de Leonardo da Vinci

Homem-Vitruviano

Homem Vitruviano é um desenho famoso que acompanhava as notas que Leonardo da Vinci fez, no ano de 1490, num dos seus diários.

Descreve uma figura masculina desnuda, separada e simultaneamente em duas posições sobrepostas, com os braços inscritos num círculo e num quadrado. A cabeça é calculada como sendo um oitavo da altura total. O desenho e o texto também são chamados de Cânone das Proporções. As posições, com os braços em cruz e os pés, são inscritas juntas no quadrado. Por outro lado, a posição superior dos braços e das pernas é inscrita no círculo. Isto ilustra o princípio de que, na mudança entre as duas posições, o centro aparente da figura parece se mover, mas de fato o umbigo da figura, que é o verdadeiro centro de gravidade, permanece imóvel.
O desenho atualmente faz parte da coleção da Galleria dell’Accademia (Galeria da Academia) em Veneza, Itália. Examinando o desenho, nota-se que a combinação das posições dos braços e pernas formam quatro posturas diferentes. O Homem Vitruviano é baseado numa famosa passagem do arquiteto romano Marcus Vitruvius Pollio, na sua série de dez livros intitulados de De Architectura, um tratado de arquitetura em que, no terceiro livro, ele descreve as proporções do corpo humano masculino:


  • Um palmo é o comprimento de quatro dedos;
  • Um pé é o comprimento de quatro palmos;
  • Um côvado é o comprimento de seis palmos;
  • Um passo são quatro côvados;
  • A altura de um homem é quatro côvados;
  • O comprimento dos braços abertos de um homem (envergadura dos braços) é igual à sua altura;
  • A distância entre a linha de cabelo na testa e o fundo do queixo é um décimo da altura de um homem;
  • A distância entre o topo da cabeça e o fundo do queixo é um oitavo da altura de um homem;
  • A distância entre o fundo do pescoço e a linha de cabelo na testa é um sexto da altura de um homem;
  • O comprimento máximo nos ombros é um quarto da altura de um homem;
  • A distância entre a o meio do peito e o topo da cabeça é um quarto da altura de um homem;
  • A distância entre o cotovelo e a ponta da mão é um quarto da altura de um homem;
  • A distância entre o cotovelo e a axila é um oitavo da altura de um homem;
  • O comprimento da mão é um décimo da altura de um homem;
  • A distância entre o fundo do queixo e o nariz é um terço do comprimento do rosto;
  • A distância entre a linha de cabelo na testa e as sobrancelhas é um terço do comprimento do rosto;
  • O comprimento da orelha é um terço do da face,
  • O comprimento do pé é um sexto da altura.

Vitrúvio já havia tentado encaixar as proporções do corpo humano dentro da figura de um quadrado e um círculo, mas suas tentativas ficaram imperfeitas. Foi apenas com Leonardo que o encaixe ficou perfeito, dentro dos padrões matemáticos esperados. O redescobrimento das proporções matemáticas do corpo humano no século XV por Leonardo e os outros é considerado uma das grandes realizações que conduzem ao Renascimento italiano. O desenho também é considerado um símbolo da simetria básica do corpo humano e, por extensão, do  universo como um todo. É interessante também observar que a área total do círculo é idêntica à área total do quadrado (quadratura do círculo) e este desenho pode ser considerado um algoritmo matemático para calcular o valor do número irracional phi (aproximadamente 1,618).

Luz: O Que É Isso?

luz

ALGO MUITO SIMPLES?

Até parece. Você acorda no meio da noite para ir ao banheiro, está escuro, você não enxerga nada. Um simples toque num botão e pronto, tudo fica claro, “Fiat Lux”, fez-se a luz. Simples, não? Mas será que você já parou para pensar o que é a luz? Claro, é preciso ser meio maluco para pensar nesse tipo de coisa, mas é graças aos meio malucos que o conhecimento progride.

NOS PRIMÓRDIOS

A ideia de que a luz seria um corpúsculo vem desde a Antiguidade, com o atomismo de Epicuro e Lucrécio. No século I a.C., Lucrécio, dando continuidade às ideias dos primeiros atomistas, afirmou que a luz solar e o seu calor eram compostos de pequenas partículas. No século XVII, Sir Isaac Newton também sugeriu que a luz era composta de pequenos corpúsculos, ou seja, partículas. Nos dois séculos seguintes, contudo, experimentos demonstraram que a radiação luminosa era composta de ondas, como descreveu, no século 19, o escocês James Maxwell.

EINSTEIN, SEMPRE EINSTEIN

Posteriormente, inspirado pela mecânica quântica do alemão Max Planck, Albert Einstein bagunçou tudo outra vez,  ao apresentar, em 1905, uma descrição da luz que só seria válida caso ela fosse composta de… partículas. Foi por esse trabalho (e não pela relatividade) que Einstein ganhou seu Nobel. De acordo com ele a luz se comporta, ora como onda, ora como partícula. Mas o que determina quando a luz age como uma ou outra? Essa é a grande maluquice.
Um dos fenômenos que indicam que a luz é onda é a chamada interferência, ou seja, o fato de que ondas luminosas, quando passam a certas distâncias, podem interferir umas com as outras. A melhor forma de observar isso é ver uma parede com duas fendas estreitas, uma ao lado da outra, por onde a luz deve passar e ser projetada num anteparo atrás da parede. Quando as duas fendas estão abertas, o padrão de luz e sombra que se vê no anteparo é uma série de listras (o esperado, caso as ondas luminosas estivessem interferindo umas com as outras). Ao se fechar uma das duas fendas, o padrão listrado some e sobra apenas uma faixa intensa de luz (ou seja, a interferência some).

MAIS DOIDEIRA

A doideira maior é quando os cientistas enviam um fóton por vez na direção da parede. Com as duas fendas abertas, eles atingem o anteparo, um após o outro, numa distribuiçãocompatível com o padrão de listras. Mas, se cada fóton está viajando  sozinho na direção da parede, ele só tem duas opções: passar por uma fenda ou pela outra. Ao escolher uma delas, como ele pode causar interferência com ele mesmo? Pois é, mas acontece. Parece que o fóton, mesmo sendo um só, passa pelas duas fendas ao mesmo tempo. E tem mais: não dá para prever exatamente aonde um dado fóton vai atingir o anteparo. O padrão ondulatório descreve a probabilidade que uma partícula tem de ir, mas não determina aonde cada fóton vai. É o chamado princípio da incerteza, da mecânica quântica, em ação. A Teoria Quântica pode calcular a probabilidade do destino dessas partículas. Mas é incapaz de dar um significado claro a esses fenômenos.

MUITAS PERGUNTAS, POUCAS RESPOSTAS

Será que o mundo quântico é mesmo probabilístico? Einstein, que dizia que Deus não joga dados, jamais aceitou essa tese. Em 1954, ele descreveu sua frustração em uma carta, dizendo: “Todos esses 50 anos de reflexão conscienciosa não me deixaram mais perto da resposta à pergunta: O que são os quanta de luz?” Hoje, parte dos físicos acredita que o mundo das partículas é probabilístico e outros – como o vencedor do Nobel de Física de 1999, Gerardus Hooft – imaginam que há uma verdade além do mundo quântico. “Acredito que as leis da natureza não sejam mecânico-quânticas, mas muito mais determinísticas e explicáveis pela matemática”, diz Hooft. É a mesma suspeita que Einstein teve e para a qual, até agora, ninguém chegou a uma resposta satisfatória.

ALGO MUITO SIMPLES?

Até parece. Você acorda no meio da noite para ir ao banheiro, está escuro, você não enxerga nada. Um simples toque num botão e pronto, tudo fica claro, “Fiat Lux”, fez-se a luz. Simples, não? Muito simples, na verdade. Tão simples que nem mesmo os maiores sábios da Terra conseguiram compreender até hoje.
Disse Deus: haja luz. E houve luz. Viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas. E Deus chamou à luz dia, e às trevas noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro. (Gênesis 1: 3-5)

6 Curiosidades Matemáticas

matematica


1 – O Número Mágico
O número 1089 é conhecido como número mágico. Veja por que:
Escolha qualquer número de três algarismos diferentes.  Por exemplo, 875.
Agora escreva este número de trás para frente e subtraia o menor do maior, assim:
875 de trás para frente é 578
Subtraindo o menor (578) do maior (875), temos:
875 – 578 = 297
Agora some este resultado com o seu inverso, assim:
297 + 792 = 1089 -  O NÚMERO MÁGICO!
Faça a experiência com qualquer número de três algarismos diferentes e verá que o resultado será sempre 1089.
2 – Curiosidade Com Números De Três Algarismos
Escolha qualquer número de três algarismos. Por exemplo: 234
Agora escreva este número na frente dele mesmo, assim:
234234
Agora divida por 13:
234234 :13 = 18018
Agora divida o resultado por 11:
18018 : 11 = 1638
Divida novamente o resultado, agora por 7:
1638 : 7 = 234
Viu só? O resultado é o numero de três algarismos que você escolheu: 234. Pode experimentar com qualquer outro número de três algarismos. O resultado será sempre o mesmo.
3 – Quanto Vale Um Centilhão?
Você conhece o milhão, bilhão, trilhão, quatrilhão, quintilhão, sextilhão… etc. Mas o maior número aceito no sistema de potências sucessivas de dez, é o centilhão, registrado pela primeira vez em 1852. Representa a centésima potência de um milhão (1.000.000^100), ou seja, o número 1 seguido de 600 zeros.
4 – Mágica Com Números
Numa calculadora, digite a sequência de números de 1 a 9, com exceção do 8, assim:
            1 2 3 4 5 6 7 9               gthhhhhhhhhhhhhhhuj0
Agora peça a alguém para escolher o seu número preferido na sequência. Digamos que a pessoa escolheu o 6. Multiplique mentalmente (sem a pessoa perceber) o número escolhido por 9: 9×6=54. Agora, na calculadora, multiplique este resultado por aquela sequência de números que você digitou no começo:
1 2 3 4 5 6 7 9 x 54 = 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6…
Como se vê, o resultado da multiplicação foi o número 6, escolhido pela pessoa. Aí você diz: “Está aí o seu número preferido!…” Seja qual for o número da sequência escolhido pela pessoa, você deve multiplicá-lo mentalmente sempre por e depois, na calculadora, multiplicar o resultado pela sequência. Por exemplo, se o número escolhido for o 2, você multiplica mentalmente por 9 (9×2=18) e, na calculadora, multiplica a sequência por 18. O resultado será:
1 2 3 4 5 6 7 9 x 18 = 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 …
       A mesma coisa acontecerá com qualquer número da sequência que a pessoa escolher.Mas, atenção: o segredo é a multiplicação do número escolhido sempre por 9, que deve ser feita mentalmente, sem que a pessoa perceba.
5 – Data Histórica: 20/02/2002
20 horas e 02 minutos de 20 de fevereiro de 2002 foi um instante histórico. Durante um minuto, houve uma conjunção de números que somente ocorre duas vezes por milênio:
20:02  20/02/2002
Esta é uma simetria que na matemática é chamada de capicua (algarismos que dão o mesmo número quando lidos da esquerda para a direita, ou vice-versa). A raridade deve-se ao fato de que são apenas os algarismos 2 e 0 e se você ler de trás para a frente, dá a mesma coisa:
20 02 20 02 20 02
A última ocasião em que isso ocorreu foi às 11h11 de 11 de novembro de 1111, formando a data 11h11 11/11/1111. A próxima vez será somente às 21h12 de 21 de dezembro de 2112 (21h12 21/12/2112). Provavelmente não estaremos aqui para presenciar. 
Depois, nunca mais haverá outra capicua. Em 30 de março de 3003 não ocorrerá essa coincidência matemática, já que não existe a hora 30.
6 – O Número Pi (p)
Se você pegar qualquer círculo, medir a sua circunferência (perímetro) e dividir o resultado pelo diâmetro desse círculo, vai encontrar sempre este número:
3,14
            Se você aproximar mais o número, vai achar:
3,14159
            Aproximando mais ainda, achará:
3.14159265358
            Se sua calculadora tiver espaço bastante, você poderá chegar a
3.14159265358979323846264
            Ainda dá para aproximar mais, chegando a:
3.1415926535897932384626433832795028841
            Mais um pouco e você chega a:
3,1415926535897932384626433832795028841971693993751058
            A essa altura, talvez você queira saber até onde vai essa aproximação. Aí, uma surpresa: vai até o infinito, não acaba nunca! Você passaria o resto da sua vida fazendo aproximações e jamais terminaria! Não importa o tamanho do círculo, ele pode ser enorme ou bem pequeno, o resultado será sempre este mesmo número,chamado de “pi” pelos matemáticos e representado pela letra grega p (lê-se “pi”). É a mais antiga constante matemática que se conhece. É um número irracional, com infinitas casas decimais. Em 1997, Y. Kamada e D. Takahashi, da Universidade de Tóquiochegaram a 51.539.600.000 (cinquenta e um bilhões, quinhentos e trinta e nove milhões e seiscentas mil) casas decimais. Só podia ser japonês pra fazer isso…